O FEMINISMO NA PAUTA DA ESPPE

Por 16.3.17

O colegiado interno da ESPPE foi hoje um espaço que integrou as ações da Escola à uma rica discussão acerca do feminismo. Em referência ao Dia Internacional da Mulher e da relevância em se abordar este tema de forma contínua e transversal, a equipe da ESPPE contou com a participação de Adele, feminista e psicóloga, que contribuiu com a sua experiência na saúde e na militância social, a qual, junto com a coordenadora de educação permanente da Escola, Domitila, mediou o grupo no compartilhamento de experiências pessoais, visões e informações sobre o tema, somados à leitura e reflexão sobre célebres frases de mulheres que cumpriram e cumprem um importante papel político e social, assim como sobre músicas que tratam de questões relevantes para este público. Dentre os diversos apontamentos, destacou-se a importância da autonomia e do empoderamento feminino para o seu pleno exercício na sociedade, livre de preconceitos e com respeito ao lugar que escolhem para ser e estar nesta sociedade. Longe de concluir a demanda desta temática, este momento propiciou algumas aproximações com as potencialidades e principais desafios que perpassam este público, gerou o reconhecimento tanto das mulheres quanto dos homens que compõem a equipe da ESPPE dentro da própria temática, despertando para a postura política destes atores e sensibilizando para o incorporamento desta discussão na educação permanente em saúde. A seguir, estão as músicas e algumas frases que embasaram a reflexão no grupo:
Músicas:
“Maria, Maria” (Elis Regina) / “Pagu” (Rita Lee) / “Descontruindo Amélia” (Pitty) / “Maria da Vila Matilde” (Elza Soares) / “Paraíba” (Luiza Gonzaga) / “1º de Julho” (Cássia Eller) / “Tigresa” (Caetano Veloso)
Frases:
 “E se me achar esquisita, respeite também. até eu fui obrigada a me respeitar.”/ “Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome.” (Clarice Lispector)
“Ser visto e ouvido por outros é importante pelo fato de que todos veem e ouvem de ângulos diferentes. Este é o significado da vida pública” / “A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele.” (Hannah Arendt)
“Que nada nos limite, que nada nos defina, que nada nos sujeite. Que a liberdade seja nossa própria substância, já que viver é ser livre.”/ “Ninguém nasce mulher: torna-se mulher.” (Simone de Beauvoir)
 “Pés, para que os quero, se tenho asas para voar.” (Frida Kahlo)

“Quem transforma a sociedade é o povo organizado” (Vera Baroni)




Você pode gostar também

0 comentários